sexta-feira, 27 de março de 2009

Febre me deixa ácida.

Odeio ficar doente. Isso é um fato. Para alguém que tem tantas coisas para fazer, cair de cama e não conseguir levantar nessa fase do campeonato não é nem um pouco agradável. Dá aquela sensação de inutilidade. Tipo domingos. A diferença é que você não pode nem tentar se divertir. Não dá. Então o que você faz? Pensa. Febre foi feita para pensar. Quanto mais ela aumenta a temperatura, mas faz você suar, mais você vai tomando resoluções sobre a sua vida. Se organizar, baixar a guarda para certas oportunidades, tomar mais atitudes, chutar algumas canelas, fazer alguns inimigos, coisas desse tipo. Ontem aprendi, é melhor alguém com muitos inimigos do que com muitos amigos. Amigos é aquele tipo de coisa que é melhor se ter poucos. Depois de um determinado número a tendência é dá errado. Quem tem amigos demais, das duas uma: não dá valor ou dá demasiado valor. De qualquer forma, as duas opções são perigosas. Pessoas com amigos demais tem outro grande problema: tendem a se apropriar da vida dos outros como se fossem suas. Julgam e falam sem se importar com as palavras, como se elas não tivessem poder. E não digo daquele poder a La Segredo. Não tem nada haver com isso. É apenas o significado que cada uma tem. Palavras diariamente são proferidas e jogadas como vento, como se elas não pudessem provocar guerras ou paz. Nessa era tecnológica é assim mesmo, nada mais tem sentido, sentimento ou significado. Tudo não passa apenas de vômitos de palavras, como esses daqui. E o mundo fica resumido a 0 e 1 em telas de computador. Preto-no-branco. Certo ou errado. Tudo ou nada. Às vezes cansa esse 8 ou 80. Mas ás vezes também cansa esse meio termo. Olha, ta tudo bem. Não, não faz isso. Ah, mas não é tão ruim assim Tenta entender o lado dela também. Eu cansei. Alguém já tentou entender o meu lado? Eu não me lembro disso. Mas vamos indo, passo a passo, momento a momento, tempo a tempo. Vamos indo, fazendo amigos e inimigos por aí. Eu já fiz os meus bocados, de ambos. E consegui uns a mais depois deste texto, pode ter certeza, cada um vai pegando sua carapuça, não tem problema. Eu coleciono inimigos agora. E rancores também. Mas no dia seguinte eles ainda vão sorrir e mandar beijinhos, como se não tivessem se importado. No Acre as coisas são sempre assim, não é? Um dia melhores amigos, depois não pode nem ouvir falar e em menos de uma semana já somos de novo uma grande família. As opiniões mudam muito rápido. Eu canso disso tudo. Estou cansada. Estou ácida. É a febre, faz isso comigo. Acho que tenho que ficar doente mais vezes. Me faz falar algumas verdades.

5 comentários:

Nattércia Damasceno disse...

Eu tenho todos esses sintomas e sensações, mas sem a febre.

Nathália disse...

Ficar doente realmente dá certo pra você.
Eu viro um vegetal. Hahahaha

rayza. disse...

viiiixeee
ahahahaha

thubaruba veriana HAHAHA

Janu Schwab disse...

Hmm. Prefiro as pessoas ácidas as de algodão-doce. Vamos continuar nossa campanha de chutar canelas - porém, de maneira bem classuda!

Magda Tomaz disse...

Isso 'mermo', mata a cobra e mostra o pau. rsrsrsr. Existe uma identificação coletiva com o texto? - "...cada um vai pegando sua carapuça, não tem problema. Eu coleciono inimigos agora. E rancores também..." Melhor parte! Mas não precisa ficar doente pra pensar assim, basta chutar canelas.