domingo, 19 de outubro de 2008

Luzes de Velas Apagadas

Deixe que por uma noite, e apenas uma, todos os problemas, lágrimas e chateações seja esquecido. E por apenas uma noite os sorrisos e brincadeiras, e as libertinagens placebianas sejam discutidas, murmuradas e sussurradas. Deixe-me falar de música, livros, teorias de vida e experiência do dia-a-dia. E que a noite acabe com um abraço, meio tombado, e registros de meses passados. Lembrança de uma época boa, esquecida nas dificuldades dos cotidianos. Assopro a velinha que não apaga, e espero ela chegar ao fim. Só isso.

Um comentário:

Aleta Dreves disse...

e isso é apenas o começo da vida!