sábado, 17 de maio de 2008

Pensatas (minhas)

E no infinito de céu, a noite é quase dia. E o galo canta. E ela brilha. Grande, branca, quase cheia. Remete a vida, as dores, os medos, os amores (que pra mim são quase sempre o mesmo). As felicidades entristecidas. A vida recheada. As verdades e mentiras. As brincadeiras. O saco plástico. O meio-fio. Ela. As mordidas. Os abraços. Vamos, barbatucando. Vamos, brinca, foge, (não) minta.

E em passos largos ele vai. No escuro. Sozinho. E ela fica. No alto, sorrindo (não mais).

A noite é dia. E as lembranças remetem a passados nem assim tão distantes. Mas que parecem uma eternidade de (in)felicidades. E eu rio. Só rio.

Um comentário:

rayza quem? disse...

top cinco dos melhores textos já lidos neste e noutros blogs.
(: